O volume do Crânio Humano

O argumento de que quanto mais antigo o ancestral do homem, maior é o crânio e menor a mandíbula, é amplamente conhecido e aceito pelo público leigo, mas já não é adotado pelos cientistas evolucionistas,  pois, já é constatado, através de diversos fósseis, que vários homens primitivos tinham o volume craniano maior que o do homem moderno, os neanderthais tinham a capacidade craniana de 1550 c.c. (centímetros cúbicos) e os cro-magnons, entre 1650 e 1800 c.c., contra apenas 1400 c.c. do homem atual (média mundial), os 1450 c.c. do homem europeu atual e os 1287 c.c. do nativo australiano moderno (que consegue passar de uma sociedade primitiva para a faculdade em apenas uma geração, provando-se muito inteligente). Até o famoso evolucionista Carl Sagan chegou a negar que o volume craniano é um argumento para a teoria da evolução, refutando a relação inteligência-volume craniano dentro da espécie humana.